Estamos migrando o conteúdo dos antigos sites da Prefeitura. Se não encontrar o que está procurando, CLIQUE AQUI e acesse o site antigo.

VOLTAR para o site antigo.

BETA i

Direitos do Consumidor

Procon divulga pesquisa de preços de carnes

O preço do quilo da carne bovina alcançou variação de 131%. O quilo da coxinha de frango chegou a 171%. Já a carne suína obteve uma variação de 155%

Publicado em: 31 de janeiro de 2020 às 16:07 | última atualização: 31 de janeiro de 2020 às 16:10

O Procon Municipal realizou pesquisa de preços de carnes e foram levantados os valores de cortes de carnes bovinas (de primeira e de segunda), além de suínos e aves. A equipe de Cálculo e Pesquisa do órgão visitou 12 estabelecimentos na capital.

Dentre as carnes bovinas, a maior variação de preço foi encontrada no quilo do Coxão Duro. O menor preço verificado foi de R$ 15,99 o quilo e o maior a R$ 36,98. Variação de 131,21%. Outra peça com variação de preço superior a 100% foi o patinho, com menor preço a R$ 16,99 e maior a R$ 38,90. A variação foi calculada em 128,96%.

No pernil suíno com osso, a diferença encontrada entre o menor (R$ 9,79) e o maior (R$ 24,99) preço foi de 155,26%. Na carne de frango foi encontrado, na coxinha, diferença de até 171,72%. O quilo pode ser encontrado de R$ 9,90 a R$ 26,90. Em seguida, o meio da asa de frango que subiu 151,52%. O menor preço é de R$ 9,90 e o maior a R$ 24,99. O quilo da coxa de frango alcançou variação de 137,19%.  

Segundo o levantamento, as carnes que apresentaram as menores variações foram: acém, picanha, costela bovina, frango inteiro e alcatra. O acém obteve uma variação inferior a 40,20%. O menor preço foi de R$ 19,90 e o maior a R$ 27,90.  Já alcatra diminui 72,29%. Com de preço de R$ 24,90 a R$ 42,90. A costela bovina registrou variação de 58,99%. O menor preço de R$ 14,90 e o maior a R$ 23,69.   O frango congelado foi de 66,78%. O menor preço encontrado foi de R$ 5,99 e o maior a R$ 9,99.

Com tantas variações, o Procon Goiânia orienta que o consumidor faça pesquisa antes da compra e que fique atentos, às eventuais promoções oferecidas pelos supermercados e açougues.

Confira a pesquisa completa aqui

Anderson Clemente, da editoria de Defesa do Consumidor