Estamos migrando o conteúdo dos antigos sites da Prefeitura. Se não encontrar o que está procurando, CLIQUE AQUI e acesse o site antigo.

VOLTAR para o site antigo.

BETA i

Comunicação

ANP e Procon fiscalizam postos de combustíveis em Goiânia

Operação tem o objetivo de verificar a qualidade dos equipamentos e também dos combustíveis ofertados na capital

Publicado em: 06 de março de 2020 às 19:08 | última atualização: 06 de março de 2020 às 19:12

O Procon Municipal e a Agência Nacional de Petróleo (ANP) apresentaram nesta sexta-feira (06/03) um balanço da operação que fiscalizou os postos de combustíveis de Goiânia.  Ao todo, 32 estabelecimentos foram fiscalizados. Durante o trabalho, nenhuma irregularidade foi encontrada nos estabelecimentos vistoriados.

Na operação, os agentes realizaram testes para verificar a pureza, limpidez e a coloração da gasolina, etanol e diesel. Também verificaram a compatibilidade no número de litros apontado pela bomba e o que entra nos veículos. Os fiscais checaram ainda os alvarás de funcionamentos e as licenças do Corpo de Bombeiros e Ambiental do posto de combustível. 

Segundo o superintendente do Procon Goiânia, Walter Silva, a fiscalização começou na segunda-feira (02/03) e terminou nesta sexta-feira (06/03). "Além de Goiânia, a ANP realizou a operação em 24 municípios goianos. Cerca de 170 postos de combustíveis foram fiscalizados", disse.

Durante a apresentação dos dados da operação, o superintendente adjunto de fiscalização da ANP do Rio de Janeiro, Marcelo da Silva, aproveitou para explicar que o consumidor tem o direito de exigir o teste de qualidade do combustível na hora do abastecimento em caso de suspeita quanto à qualidade do produto.

“Uma resolução da Agência Nacional do Petróleo (ANP) obriga todos os postos a terem um kit para teste. Os frentistas devem estar habilitados a fazer o teste gratuitamente na frente do cliente. Se o posto se recusar, o consumidor pode formalizar uma denúncia ao Procon e à ANP pelo telefone 0800 970 0267 ou pela internet”, argumentou.

Anderson Clemente, da editoria de Defesa do Consumidor